Infográfico: como criar um canal de sucesso no Youtube

O Youtube costumava ser um site de compartilhamento de vídeos lá em 2006, quando as pessoas postavam vídeos fofos dos seus gatíneos e vídeos caseiros engraçados. Mais de uma década depois, fazer vídeos para o Youtube se tornou um trabalho de tempo integral para muitos dos criadores de conteúdo. Tanto que o Youtube não é mais um simples website: é uma indústria, com suas próprias celebridades, eventos anuais e premiações.
Esse infográfico te mostra tudo o que você precisa para criar um canal de sucesso no Youtube. Tudinho, desde o seu propósito até o que você pretende criar para atrair seu público. Descobrir se você quer criar um canal de gameplays, beleza, ou simplesmente vlogs diários, outra categoria que tem ganhado sucesso no Youtube nos últimos anos.
Começar também envolve inventar um nome criativo para o seu canal, configurar perfis nas redes sociais e investir em equipamentos de qualidade para vídeos e áudio.
Você deveria comprar uma câmera profissional DSLR 4K de cara ou uma Point-and-shoot já basta para os seus vlogs? Uma câmera mirrorless é uma alternativa para essas duas? E que câmera de ação te dá o melhor custo-benefício?
Criar um canal de sucesso no Youtube também significa que você precisa produzir conteúdos ótimos e monetizá-los de forma eficaz.
Descubra exatamente o que você precisa para ter um canal de sucesso no Youtube no infográfico completo abaixo:
2017-01-31_canal-youtube-sucesso1
Fonte: http://tutano.trampos.co/13945-infografico-canal-sucesso-no-youtube/?utm_medium=email&utm_source=tutano-newsletter&utm_campaign=yt&utm_content=#92
Anúncios

Câmara aprova projeto que prevê desativação do Minhocão

corredorverde_minhocao_10

Câmara aprova, em primeiro turno, projeto que prevê a desativação gradual do minhocão (Alexandre Battibugli/Veja SP)

Segundo proposta, fechamento para carros será gradual e deverá durar quatro anos

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta (20), em primeiro turno, o projeto de lei que prevê a desativação gradual do Elevado Presidente João Goulart, o Minhocão, principal ligação entre as regiões leste e oeste da cidade.

O texto determina a criação definitiva do Parque Minhocão – já existe essa denominação, mas apenas em dias em que o espaço é liberado para pedestres, como fins de semana-, em até quatro anos.

Segundo o projeto, após nove meses da regulamentação da lei, o local será totalmente fechado para carros durante as férias escolares, em julho, dezembro e janeiro. Após dois anos, o espaço terá restrição de circulação de carros entre 20h e 7h nos dias úteis.

No ano seguinte, haverá a liberação de apenas um sentido por período. Por fim, após quatro anos de aprovação, o antigo Elevado Costa e Silva, inaugurado em 1970, será definitivamente fechado para automóveis. O cronograma poderá ser alterado após audiências públicas. A primeira vai ocorrer no dia 8 de outubro.

Um dos autores da lei, o vereador José Police Neto (PSD) afirma que a determinação já consta do Plano Diretor. “O que nós fizemos foi colocar a ideia em prática. São cinco anos de debate aqui na Câmara. A sociedade está pronta para transformar esse monte de concreto em um parque definitivo”, afirma o parlamentar.

Para ter efeito de lei, a medida precisa passar por nova sessão de votação na Câmara – ainda sem data definida- e, caso seja aprovada, depende de sanção do prefeito João Doria.

Fonte: https://vejasp.abril.com.br/cidades/camara-aprova-projeto-preve-desativacao-minhocao/

 

BELO FILME SOBRE A SOLIDÃO, “ARÁBIA” VENCE BRASÍLIA 2017.

000ARABIA_Credito-Divulgação-2-1024x576-620x264

Provavelmente sabendo da força do que tinha em mãos, a programação do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro guardou para a última noite da mostra competitiva o que havia de melhor. Prática, aliás, comum em festivais. Assim, o longa mineiro “Arábia”, de João Dumont e Affonso Uchoa, o último a ser exibido, foi consagrado na noite deste domingo (24/09) o melhor filme do evento. E com méritos.

Ousando quebrar alguns paradigmas de roteiro, o filme começa mostrando o cotidiano de um rapaz simples que, com a ajuda da tia, cuida do irmão mais novo enquanto aguarda o retorno da mãe em viagem. Após 20 minutos de uma trama que encanta e envolve aos poucos, o rapaz em questão encontra o diário de Cristiano (Aristides de Souza), um operário da região, e mergulha na sua leitura. É apenas neste momento que surge o letreiro com o nome do filme, que sinalizará uma total reviravolta no que até então o roteiro supostamente propunha. Saem de cena os personagens inicialmente apresentados e parte-se agora para uma imersão na vida de Cristiano. Moldam-se aos poucos os contornos, matizes, texturas e nuances de um protagonista tão comum quanto real que percorrerá uma trajetória que poderia ser a de milhões de brasileiros. E que por isso mesmo tem sua força potencializada ao bater com tanta veracidade e poesia na tela do cinema. Cristiano é o retrato fiel do homem sem voz, circundado por uma dolorida solidão, e que carrega na própria incomunicabilidade o peso do seu cotidiano.

Belíssimo, poético e reflexivo, “Arábia” não foi concebido para ser um filme de grande público. Mas vamos combinar que, mesmo sem esta pretensão, o seu título também não ajudará nadinha sua futura carreira no cinema. Não que uma obra deva ceder às facilidades comerciais, mas também não precisa se autossabotar.

“Arábia” levou o troféu de Melhor Longa do festival, além das premiações de trilha sonora, montagem e ator para Aristides de Sousa.

Não costumo discutir muito as decisões de júris, não apenas pelo fato do cinema, como arte, estar sempre revestido por altas doses de subjetividade, como também por, a princípio, ser contrário a premiações comparativas nesta área. Mas chama a atenção o fato do delicioso “Café com Canela” ter levado o prêmio de roteiro (exatamente o que, na minha opinião, ele tem de mais fraco, em contraposição à sua ótima direção), ao mesmo tempo em que “Era uma Vez Brasília” ter vencido como Melhor Direção, exatamente o ponto em que seu diretor Adirley Queirós –  que tanto já acertou em trabalhos anteriores – ter se equivocado fortemente neste seu longa mais recente.

Enfim, não serão elementos banais como estes que tirarão os méritos desta histórica edição de 50 anos do Festival de Brasília. Um evento que ficou marcado não só pelo cardápio variado e inquietante de filmes que apresentou, como também pelos calorosos debates que a eles se seguiram. Debates que, se por um lado chegaram a assustar destilando cruéis momentos de intolerância e preconceitos, por outro lado provam mais uma vez que esta fervilhante troca de ideias e ideais aliada às ignições e polimentos de arestas e conceitos formam as bases mais importantes do que deve ser um bom e importante festival de cinema.

Torcendo apenas para que esta modinha de chamar tudo de “lugar” (lugar de fala, lugar de pensamento, lugar de ação, lugar de afeto, etc etc etc) passe logo e volte ao seu lugar de esquecimento.

CONFIRA  A LISTA COMPLETA DE PREMIAÇÕES


PRÊMIOS OFICIAIS

Troféu Candango – Longa-metragem:

Melhor Filme: Arábia, dirigido por Affonso Uchoa e João Dumans

Melhor Direção: Adirley Queirós por Era uma vez Brasília

Melhor Ator: Aristides de Sousa por Arábia

Melhor Atriz: Valdinéia Soriano por Café com canela

Melhor Ator Coadjuvante: Alexandre Sena por Nó do Diabo

Melhor Atriz Coadjuvante: Jai Baptista por Vazante

Melhor Roteiro: Ary Rosa por Café com canela

Melhor Fotografia: Joana Pimenta por Era uma vez Brasília

Melhor Direção de Arte: Valdy Lopes JN por Vazante.

Melhor Trilha Sonora: Francisco Cesar e Cristopher Mack por Arábia

Melhor Som: Guile Martins, Daniel Turini e Fernando Henna por Era uma vez Brasília

Melhor Montagem: Luiz Pretti e Rodrigo Lima por Arábia

Prêmio Especial do Júri: Melhor Ator Social para Emelyn Fischer, por Música para quando as Luzes se apagam

Júri Popular ( Prêmio Petrobras de Cinema) longa-metragem: Café com canela, dirigido por Ary Rosa e Glenda Nicácio


PRÊMIOS OFICIAIS – Troféu Candango – Curta-metragem:

Melhor Filme: Tentei, dirigido por Laís Melo

Melhor Direção: Irmãos Carvalho por Chico

Melhor Ator: Marcus Curvelo por Mamata

Melhor Atriz: Patricia Saravy por Tentei

Melhor Roteiro: Ananda Radhika por Peripatético

Melhor Fotografia: Renata Corrêa por Tentei

Melhor Direção de Arte: Pedro Franz e Rafael Coutinho por Torre

Melhor Trilha Sonora: Marlon Trindade por Nada

Melhor Som: Gustavo Andrade por Chico

Melhor Montagem: Amanda Devulsky e Marcus Curvelo por Mamata

Prêmio​ ​especial: Peripatético, dirigido por Jéssica Queiroz

Júri Popular – Curta-metragem: Carneiro de ouro, dirigido por Dácia Ibiapina


OUTROS PRÊMIOS

Prêmio Canal Brasil: Chico, dirigido por Irmãos Carvalho

Prêmio Abraccine

Melhor filme de longa-metragem: Arábia, dirigido por Affonso Uchoa e João Dumans

Melhor filme de curta-metragem: Mamata, dirigido por Marcus Curvelo

Prêmio Saruê: Afronte, direção de Marcus Azevedo e Bruno Victor

Prêmio Marco Antônio Guimarães: Construindo pontes, dirigido por Heloísa Passos

Prêmio CiaRio/Naymar

Para o melhor curta pelo Júri Popular: Carneiro de ouro, dirigido por Dácia Ibiapina


MOSTRA BRASÍLIA – 22º Troféu Câmara Legislativa do Distrito Federal

Prêmios do Júri Oficial:

Melhor longa-metragem (R$ 100 mil):

O fantástico Patinho Feio, dirigido por Denilson Félix

Melhor curta-metragem (R$ 30 mil):

UrSortudo, dirigido por Januário Jr.

Tekoha – Som da Terra, dirigido por Rodrigo Arajeju e Valdelice Veron

Melhor direção (R$ 12 mil): Dácia Ibiapina, por Carneiro de ouro

Melhor ator (R$ 6 mil): Elder de Paula, por UrSortudo

Melhor atriz (R$ 6 mil): Rafaela Machado, por Menina de barro

Melhor roteiro (R$ 6 mil): Januário Jr., por UrSortudo

Melhor fotografia (R$ 6 mil): Gustavo Serrate, por A margem do universo

Melhor montagem (R$ 6 mil): Lucas Araque, por Afronte

Melhor direção de arte (R$ 6 mil): Bianca Novais, Flora Egécia e Pato Sardá, por O Menino Leão e a Menina Coruja

Melhor edição de som (R$ 6 mil): Maurício Fonteles, por Tekoha – Som da Terra

Melhor trilha sonora (R$ 6 mil): Ramiro Galas, por O vídeo de 6 faces


Prêmios do Júri Popular

Melhor longa-metragem (R$ 40 mil): Menina de barro, dirigido por Vinícius Machado

Melhor curta-metragem (R$ 10 mil): O Menino Leão e a Menina Coruja, dirigido por Renan Montenegro

Prêmio Petrobras de Cinema – Para o melhor longa-metragem pelo Júri Popular da Mostra Brasília:

Menina de barro, dirigido por Vinícius Machado

Prêmio Plug.in

Para o melhor longa-metragem escolhido pelo Júri Popular da Mostra Brasília:

Menina de barro, dirigido por Vinícius Machado

Prêmio ABCV – Associação Brasiliense de Cinema e Vídeo

Marco Curi, Manfredo Caldas e Gerlado Moraes

Prêmio CiaRIO

– Melhor longa-metragem escolhido pelo Júri Popular da Mostra Brasília:

Menina de barro, dirigido por Vinícius Machado

– Melhor curta-metragem escolhido pelo Júri Popular da Mostra Brasília:

O Menino Leão e a Menina Coruja, dirigido por Renan Montenegro


FESTUNIBRASÍLA – 1º FESTIVAL UNIVERSITÁRIO DE CINEMA DE BRASÍLIA

Melhor Filme: O arco do medo, dirigido por Juan Rodrigues (Universidade Federal do Recôncavo Baiano)

Melhor Direção: Fervendo, dirigido por Camila Gregório (Universidade Federal do Recôncavo Baiano)

Júri Popular: O Homem que não cabia em Brasília, dirigido por Gustavo Menezes (UnB)

Menção Honrosa – Método de construção criativa: Afronte, dirigido por Bruno Victor e Marcus Azevedo (UnB)

Menção honrosa – Fotografia: Gabriela Akashi, por Serenata (USP)

Menção Honrosa – Filme de animação: Mira, dirigido por Janaína da Veiga (Unespar)

Fonte: http://www.planetatela.com.br/critica/belo-filme-sobre-a-solidao-arabia-vence-brasilia-2017/#prettyPhoto

Vila Buarque: conheça o charmoso microbairro no centro de São Paulo

 

800px-vila_buarque

Vila Buarque (Foto: Peter Louiz/ Wikicommons)

 

Muitos paulistanos nunca ouviram falar na Vila Buarque. Este pequeno bairro, localizado na região central, é um dos mais interessantes da cidade. Quando o elevado Costa e Silva (conhecido como Minhocão) foi construído, o bairro foi o mais afetado. Na avenida São João, o efeito do elevado foi menos devastador. Acabou separando bairros naturalmente afastados, como Santa Cecília e Campos Elísios.

Na Vila Buarque, no entanto, a cicatriz foi bem no seu coração. Dividiu o bairro pela metade, bem onde passa a avenida Amaral Gurgel, que em pouco tempo ficou conhecida como a “boca do lixo”. A degradação foi se espalhando até os limites do bairro, localizado entre a Santa Cecília, o Arouche, a República e a Consolação.

O mais curioso é que a Vila Buarque tem as características ideais para ser um dos bairros mais vigorosos de São Paulo. Mistura residência e trabalho, tem agitada vida noturna, estudantes e boa atividade cultural. Foram esses traços que conseguiram manter certa vitalidade no pequeno bairro que, depois de algumas décadas, aponta para uma oportunidade de recuperação.

A Vila Buarque está no miolo da região central, mas tem jeito de cidade do interior. Prédios residenciais com comércio no térreo são a melhor característica. É um bairro onde se anda muito a pé e onde o transporte de massa fica concentrado em suas periferias. Dentro dele, o tempo passa mais devagar e ninguém está com muita pressa.

Durante os anos de degradação, alguns endereços foram vitais para desacelerar esse processo de ladeira abaixo. O IAB, Instito de Arquitetos do Brasil, a Aliança Francesa e a Biblioteca Infantil Monteiro Lobato continuaram atraindo gente para o bairro. E em seu entorno, ícones paulistanos também tiveram seu papel em manter o bairro vivo. Foi o caso do Mackenzie, da Santa Casa e do edifício Itália.

 

projetogiganto_interna

Projeto Giganto, de Raquel Brust, que transformou as pilastras do Minhocão em uma galeria a céu aberto (Foto: Raquel Brust)

 

Há alguns anos, o bairro foi adotado por muitos arquitetos, que instalaram seus escritórios nas redondezas das ruas General Jardim e Major Sertório. Também na Vila Buarque foi criada a Escola da Cidade, importante escola de arquitetura de São Paulo. No prédio do IAB, em processo de restauro, há uma livraria no térreo e em um dos andares funciona o escritório do arquiteto Paulo Mendes da Rocha. O novo ponto de encontro dessa turma é o Beluga, café localizado na rua Cesário Mota Júnior.

Nos últimos 12 meses, o mercado imobiliário descobriu a região. São mais de 10 lançamentos de prédios residenciais, todos eles de apartamentos pequenos, com tamanhos variando de 30 a 60 metros quadrados. O foco são estudantes, gente que vive no interior e precisa de um imóvel na capital, e o público gay, que já domina a região. Nem todas as unidades têm vaga de garagem. Sinal que o mercado mudou e que o bairro é perfeito para quem gosta de fazer a vida a pé ou de transporte público.

Em meio à desaceleração do mercado imobiliário, incorporadores que apostaram na região não podem reclamar. A venda de unidades está boa e novos lançamentos devem surgir. Em breve será inaugurada a ciclovia debaixo do Minhocão. Mais um incentivo à revitalização do bairro, até outro dia tomado por prostituição, drogas e assaltos. A região ainda tem problemas, mas a voracidade do mercado e a demanda dos paulistanos por vizinhanças bem estruturadas devem devolver à cidade um dos bairros mais charmosos de São Paulo.

Fonte: http://gq.globo.com/Blogs/Marcel-Steiner/noticia/2015/04/vila-buarque-conheca-o-charmoso-microbairro-no-centro-de-sao-paulo.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=compartilharDesktop

Crítica: “‘Mãe!’ é uma profusão de cenas que não levam a nada”

Fonte: Crítica: “‘Mãe!’ é uma profusão de cenas que não levam a nada”

Polêmico e divisivo, o excelente mãe! mostra o poder devastador da criação

Fonte: Polêmico e divisivo, o excelente mãe! mostra o poder devastador da criação – Blog do Sadovski – UOL

Como Utilizar o Marketing de Influência para sua Pequena Empresa

featured3

A publicidade clássica é “tão” 2016! Hoje em dia é inútil gastar milhões para mostrar como seu produto é genial numa tela grande. Os consumidores não se deixam mais seduzir como antigamente. Para conquistar a confiança deles, você precisa de comentários, depoimentos ou avaliações positivas. O sucesso do TripAdvisor ou das páginas de depoimentos nos sites são a prova disso. O retorno dado pelos clientes tem um peso enorme na decisão de fazer uma compra. Afinal, quem melhor do que um consumidor para se dirigir a outro consumidor?

Mais ainda, se uma pessoa influente na internet é quem fala sobre seu produto ou serviço, você ganhou na loteria! Mas como fazer isso se você não tem o contato da Kim Kardashian? Muito simples, é só seguir o nosso guia para aprender a usar o marketing de influência e alavancar consideravelmente as vendas de sua pequena empresa.

1. O que é um influenciador?

São personalidades da internet, capazes de mobilizar um número inacreditável de pessoas apenas com uma simples foto no Instagram, um vídeo no YouTube ou um artigo num blog. Se é necessário dar uma definição, podemos dizer que uma pessoa é considerada influente na internet quando tiver mais de 1000 seguidores numa única rede social. No entanto, será que aquela sua melhor amiga que é tão popular e tem mais de 1500 amigos no Facebook é uma influencer? Não necessariamente.

  • As celebridades: quando um artista faz o papel de embaixador de uma marca ele contribui para a imagem dessa marca. Pensamos em especial no George Clooney com a Nespresso ou a Gisele Bündchen com a Sky. As celebridades frequentemente são seguidas e admiradas por um grande número de pessoas e portanto seu impacto é muito importante. O único problema é que custam muito caro. Por este motivo, esse tipo de influenciador é apenas para as grandes marcas.
  • Os consumidores: o conjunto de todos os clientes é que dá a avaliação dos seus produtos e serviços. Aqui não é obrigatoriamente o indivíduo que conta, mas sim a massa de gente. Os visitantes vão ver sua nota no TripAdvisor ou os comentários negativos postados pelos usuários. Estes influenciadores são os mais difíceis de controlar, mas têm um papel determinante na decisão de compra.
  • Os formadores de opinião: não são celebridades, mas são muito conhecidos e muito influentes em seu ramo de atividade. Têm a grande vantagem de dar credibilidade à sua marca e de alcançar um público específico. Estes influenciadores encontram-se principalmente na internet e nas redes sociais. São mais difíceis de encontrar, mas são capazes de criar um engajamento muito importante em torno dos seus produtos e serviços.

2. Como encontrar um influenciador?

Para saber qual tipo de influencer escolher para sua pequena empresa, você primeiro deve definir seu público alvo. Para um público na maioria jovem são as celebridades que causam o maior impacto. Por outro lado, para um setor específico de atividade e um público mais informado, você deve apostar nos formadores de opinião.

Mas você sabe quem contatar? Nós falamos dos influencers de uma forma geral, porém o que você precisa concretamente são nomes. Encontrar um bom influenciador para a sua marca requer um importante trabalho de pesquisa. Para começar vá no Twitter ou no Instagram e digite hashtags que tenham relação com o que você oferece ou com seu negócio. Por exemplo, se você tem um negócio de calçados digite #moda e #sapatos. Dessa forma você pode ver quem são as pessoas influentes no seu meio, o que essas pessoas postam e como elas se engajam com a própria comunidade.

Um outro meio para encontrar os seus influenciadores é recorrer a sites especializados. Reech é uma plataforma cuja proposta é te acompanhar passo a passo na elaboração da sua estratégia. Esta plataforma já contabiliza mais de 6000 influenciadores e te permite contactar aqueles que pareçam mais pertinentes para seu tipo de negócio e sua empresa. Outros sites como o Tweetdeck também ajudam a economizar um tempo considerável em suas pesquisas.

3. Como entrar em contato com um influenciador?

Os influenciadores são pessoas extremamente requisitadas e, como sempre, para atrair a atenção dessas pessoas você vai precisar saber defender sua causa. Para isso, há uma regra de ouro que deve ser respeitada: no marketing de influência não se trata forçosamente de dinheiro. Os influenciadores devem escolher suas marcas com muita precaução para manterem sua credibilidade. É por isso que eles não optam obrigatoriamente por quem paga mais, mas escolhem dedicar seu tempo a produtos de boa qualidade que podem proporcionar um maior valor à sua comunidade e permitem firmar sua reputação.

Portanto, o melhor meio para contatar um influenciador é fazê-lo experimentar seu produto ou serviço: envie amostras ou convide para experimentar um serviço gratuitamente. Mais ainda, pense em personalizar suas permutas. Estabeleça um relacionamento de confiança com seus influenciadores. Procure se interessar por eles e pelo seu trabalho para construir laços a longo prazo. Afinal, o objetivo do marketing de influência é a comunicação entre as pessoas e não entre marcas, por isso respeite as regras do jogo.

Image-inside-the-article

4. Por que recorrer a um influenciador?

Mas por que é necessário todo esse esforço? Não seria mais simples pagar a uma agência para para colocar sua propaganda num jornal ou revista? Porque a eficiência do marketing de influência não tem comparação. Mostrando seus produtos nos meios digitais você consegue alcançar credibilidade. Os influenciadores se expressam através da sua marca, eles dão personalidade aos produtos. É sem dúvida alguma a melhor das propagandas. E para coroar tudo isso não vai te custar nem um centavo!

Uma outra vantagem, bastante importante, é o SEO: quando um influenciador fala de você em seu blog ele cria links para seu site. Estes links são identificados pelo Google como sendo de excelente qualidade, uma vez que eles estão incluídos em um blog famoso com inúmeros seguidores. Terão assim um impacto positivo no seu SEO e vão permitir que seu site conquiste uma posição elevada nos resultados dos motores de busca. Promoção e SEO é a fórmula “2 em 1” – como no shampoo/condicionador!

5. As diferentes técnicas do marketing de influência

Existem diferentes formas de fazer marketing de influência. Nós reunimos para você 5 técnicas que já se provaram eficazes e que você pode facilmente usar em sua pequena empresa:

  • O buzz kit: é um pacote com amostras e/ou pequenos brindes (emblemas, caderninhos, etc.) enviados aos influenciadores para estabelecer um contato e fazê-los descobrir e conhecer a sua marca.
  • Artigos pagos: trata-se do caso em que o influenciador possui um blog e você o paga para que escreva um artigo onde dê destaque à sua marca e aos seus produtos.
  • Publicações nas mídias sociais: exatamente como na técnica acima, a proposta aqui é incluir a sua marca em posts remunerados nas redes sociais. Ao contrário do artigo, nas redes sociais você tem uma facilidade maior para alcançar seu público e também para conseguir negociar os valores a pagar.
  • Colocação do produto: também conhecida como “product placement”, esta técnica consiste em pedir às turmas famosas do YouTube ou do Instagram que usem seus produtos. Pensamos especialmente nos tutoriais de beleza e moda onde os influenciadores citam as marcas que usam em seus vídeos.
  • O takeover nas redes sociais: esta é uma prática menos recorrente, mas pode se revelar muito eficiente. Trata-se de confiar seus canais sociais a um influenciador famoso durante um dia. Pode ser especialmente interessante fazer isso para um evento ou ocasião especial.

6. Alguns números importantes

infographic

Fonte: https://pt.wix.com/blog/2017/09/como-utilizar-o-marketing-de-influencia-para-sua-pequena-empresa/?utm_source=PT+Wix+Blog&utm_campaign=2fde3010aa-UA-2117194-47&utm_medium=email&utm_term=0_b88448bdf2-2fde3010aa-157549773